Os Incríveis 2 é o terceiro filme da Disney a fazer US$ 1 bilhão este ano

Os Incríveis 2 é o terceiro filme da Disney a fazer US$ 1 bilhão este ano

Como era esperado, Os Incríveis 2 atingiu a marca de US$ 1 bilhão na bilheteria mundial, sendo US$ 574 milhões no mercado doméstico e US$ 430,9 internacionalmente. (via THR) Atualmente, ele ocupa a sétima colocação entre as animações de maior bilheteria na história, mas pode superar em breve Zootopia – Essa Cidade É o Bicho (US$ 1,09 bilhão) e Procurando Dory (US$ 1,021 bilhão), passando a ocupar a quinta colocação. A animação recordista de bilheteria é Frozen – Uma Aventura Congelante (US$ 1,274 bilhão), seguida por Minions (US$ 1,167 bilhão), Toy Story 3 (US$ 1,06 bilhão) e Meu Malvado Favorito 3 (US$ 1,03 bilhão).

Os Incríveis 2 se torna agora a terceiro filme da Disney a arrecadar mais de US$ 1 bilhão em 2018. A frente dele estão Pantera Negra (US$ 1,3 bilhão) e Vingadores: Guerra Infinita (US$ 2,04 bilhões). O quarto filme a atingir a marca no ano, e único que não é da Disney, é Jurassic World: Reino Ameaçado (US$ 1,2 bilhão).

A família de super-heróis preferida de todos está de volta em Os Incríveis 2 – mas, dessa vez, Helena  (Holly Hunter) é quem assume os holofotes, deixando Beto (Craig T. Nelson) em casa com Violeta (Sarah Vowell) e Flecha  (Huck Milner) para tocar o heroico dia-a-dia de uma vida “normal”. É uma transição difícil para todos, que fica mais complicada pelo fato da família ainda não ter conhecimento dos superpoderes do Zezé. Quando um novo vilão põe em execução um plano perigoso e brilhante, a família e o Gelado (Samuel L. Jackson) devem encontrar um jeito de trabalhar juntos novamente – o que é mais fácil de dizer do que de colocar em prática, mesmo todos eles sendo tão incríveis.”

Os Incríveis 2, com direção de Brad Bird, tem no elenco Craig T. Nelson (Sr. Incrível), Holly Hunter (Mulher-Elástica), Samuel L. Jackson (Gelado), Jason Lee (Síndrome), Sarah Vowell (Violeta), Spencer Fox (Flecha), Brad Bird (Edna Moda), Bob Odenkirk, Catherine Keener.

 

Comentários