Game of Thrones – Daenerys pode ter sido a responsável pela ascensão do Rei da Noite

Game of Thrones – Daenerys pode ter sido a responsável pela ascensão do Rei da Noite

Neste domingo (28) será exibido o terceiro episódio da oitava e última temporada de Game of Thrones e ele mostrará a Batalha de Winterfell, entre o Exército dos Mortos e os vivos. Finalmente veremos o confronto final entre Jon Snow (Kit Harington) e  Daenarys Targarye (Emilia Clarke) contra o Rei da Noite. A Khaleesi e o líder dos Caminhantes Brancos já se viram brevemente no passado e, talvez, a ligação entre eles seja maior do que se imagina. Talvez a Daenarys tenha sido, involuntariamente, a responsável pela ascensão do Rei da Noite.

No episódio final da sétima temporada de Game of Thrones vimos o Rei da Noite usar um dos dragões de Daenerys para destruir a Muralha, permitindo a passagem dos Caminhantes Brancos e do Exército dos Mortos. Em episódios anteriores, Ben Stark revelou que a Muralha não era apenas feito de gelo, mas de magia também. Uma magia que impedia que os Caminhantes Brancos e os “wights” passassem. Por oito mil anos a Muralha e a magia resistiram.

Segundo as lendas, após A Longa Noite, um inverno que durou gerações, no qual os Caminhantes Brancos surgiram pela primeira vez, Brandon Stark, o Construtor, ergueu a Muralha, contando com a ajuda de gigantes e dos Filhos da Floresta, possivelmente os responsáveis para encantar a construção, tornando-a uma barreira impenetrável para os não-vivos. De acordo com a lenda, após a vitória dos vivos, com a participação do Último Herói, chamado de Azor Ahai no oriente, os White Walkers foram empurrados de volta para as Terras de Sempre Inverno. Assim, com o passar do tempo, as histórias sobre os Outros e a Longa Noite tornaram-se mitos, e a Muralha passou a ser principalmente uma barreira para impedir que o Povo Livre, chamado de selvagens, chegasse até as terras do reino do Norte.

 

 

Por oito mil anos, a Patrulha da Noite se preocupou apenas em deter as investidas dos selvagens. E por oito mil anos o Povo Livre viveu e cresceu no Verdadeiro Norte. Por oito mil anos os Caminhantes Brancos foram apenas histórias de terror contadas por amas para assustar crianças. Mas um dia, os antigos contos de terror voltaram e tornaram-se novamente uma ameaça. O que mudou? A hora para o ajuste de contos chegou.

E esta hora foi marcada pelo momento em que a magia voltou ao mundo. O momento em que os três dragões de Daenerys Targaryen nasceram em meio ao fogo da cremação do corpo de Khal Drogo. “Ah, mas os dragões chegaram a Westeros há 300 anos”, você pode dizer. “Aegon e suas irmãs trouxeram os dragões e por 300 anos nada aconteceu.” O que são 300 anos em face da eternidade? Um átimo de segundo. Lembre-se, a guerra que será travada será uma guerra que se desenrola desde o principio dos tempos. Esta será apenas uma nova batalha na guerra. Não necessariamente a última.

A partir do momento em que os dragões dos Targaryen chegaram a Westeros, o Rei da Noite pode ter acordado de seu retiro de milhares de anos e começado a se preparar para um novo ataque. Durante todo esse tempo ele pode ter esperado, começado a preparar suas forças. Porém, houve um momento em que os dragões deixaram de existir e com ela a magia. E, enquanto esperava, ele foi acrescentando novos Caminhantes Brancos ao seu corpo de oficiais do Exército que ele liderará contra os vivos.

 

 

Por várias vezes, em Game of Thrones, vimos um mago, uma feiticeira e um arquimeistre dizerem que os dragões trouxeram a magia de volta ao mundo. E isto não é apenas uma expressão de retórica. Provavelmente a magia está diretamente ligada aos dragões. Não por acaso as únicas armas capazes de matar os Caminhantes Brancos são a obsidiana, chamada de Vidro de Dragão, e o aço valíriano, forjado a partir da magia do povo que domou os dragões.

Quando Daenerys deu a luz aos seus dragões e o cometa vermelho percorreu os céus, o Rei da Noite soube que a hora pela qual ele esperara tinha chegado. A batalha final iria ser travada e então a sua marcha começou, matando milhares do Povo Livre que se tornaram novos recrutas em sua força. Mas ainda existia um empecilho: a Muralha e sua proteção mágica. Mas como ele pretendia cruzá-la? Alguns dizem que o Rei da Noite poderia esperar o mar congelar e atravessar, mas será que a superfície do mar congelado suportaria todo o peso de seu exército?  Existira um risco embutido aí.

Não, eu acredito que o seu plano sempre foi usar magia contra magia. Usar a magia mais poderosa que existe, a dos dragões. E foi por isso que ele pacientemente esperou que Daenerys levasse seus dragões até além da muralha, para que ele pudesse capturá-los e derrubar a Muralha. O que houve no sexto episódio, a morte de Viserion e seu retorno como um zumbi, não foi um acidente. Foi uma armadilha. E, sem saber, Daenerys deu ao grande inimigo a única arma que ele poderia usar para cruzar a Muralha.

 

 

Mas a grande verdade é que tudo que está acontecendo estava destinado a acontecer, inclusive o nascimento de Jon Snow e Daenerys, o renascimento dos dragões e até mesmo a morte de Viserion. Será então que o final e os vencedores já estão decididos? Sabemos que o lado do bem irá vencer, mas qual será o custo da vitória?

“A Batalha de Winterfell” terá 82 minutos de duração, isto é, 1 hora e 22 minutos. O recorde de episódio mais longo, até hoje, pertence a season finale da sétima temporada, “The Dragon and the Wolf” com 79 minutos.

Game of Thrones, com produção de David Weiss e D. B. Benioff, tem no elenco Emilia Clarke (Daenarys Targaryen), Kit Harington (Jon Snow), Lena Headey (Cersei Lannister), Peter Dinklage (Tyrion Lannister), Maisie Williams (Arya Stark), Sophie Turner (Sansa Stark), Isaac Hampsted-Wrigth (Bran Stark) Nicolaj Coster Waldau (Jaime Lannister), John Bradley-West (Samwell Tarly) Liam Cunningham (Davos Seaworth), Gwendoline Christie (Brienne de Tarth), Aidan Gillen (Peter Baelish), Ian Glenn (Sor Jorah Mormont), Nathalie Emmanuel (Misandei), Rory McCann (Sandor Cleganne), Alfie Allen (Theon Greyjoy), Jerome Flynn (Bronn), Conleth Hill (Lord Varys), Kristofer Hivju (Thormund).

Comentários