Dracula, nova série da BBC e Netflix, tem uma referência a Doctor Who

Dracula, nova série da BBC e Netflix, tem uma referência a Doctor Who

O primeiro episódio de Dracula, série produzida em parceria entre a BBC e a Netflix, foi exibido na noite desta quarta (01) no canal britânico e surpreendeu muitos espectadores ao trazer uma referência a Doctor Who. E isto não aconteceu por acaso, pois Dracula é escrita e produzida por Mark Gatiss e Steven Moffat, criadores da série Sherlock e também roteirista e showrunner de Doctor Who por sete anos. (via Digital Spy)

O texto abaixo contém spoilers

A referência a um certo elemento de Doctor Who é feita através de uma carta escrita por Mina (Morfydd Clark) para seu noivo, Jonathan Harker (John Heffernan), e que este recebe quando está no castelo do Conde Drácula (Claes Bang), na Transilvânia. Na carta, Mina menciona uma “adorável garçonete” do pub The Rose and Crown.

Acontece que uma das encarnações de Clara Oswald (Jenna Louise Coleman) trabalhou no mesmo pub no episódio “The Snowmen“, o episódio especial de Natal da sétima temporada de Doctor Who, e as tramas das duas histórias se passam aproximadamente no mesmo período. Seria está adorável garçonete a Clara Oswald?

A referência não passou despercebida pelos Whovians, que logo passaram a brincar no Twitter sobre um possível Claraverso.

“Vocês estão nos dando o Clara Cinamatic Universe?”

“Eu não acredito que eles soltaram uma referência a Clara em Dracula.”

 

 

A trama começará na Transilvânia em 1897 e mostrará Drácula colocando em ação seus planos contra a sociedade da Londres vitoriana.

Dracula tem a mesma estrutura de Sherlock: três episódios de 90 minutos, mas, ao contrário da série do detetive britânico, não foi transposta para os dias atuais, sendo ambientada no período histórico no qual se passa o romance de Bram Stoker, a Inglaterra vitoriana.

Drácula, o romance escrito pelo irlandês Bram Stoker, narrado de forma epistolar, foi publicado pela primeira vez em 1897 e ganhou sua primeira versão não autorizada para o cinema em 1922, Nosferatu, de Friedrich W. Murnau.

Comentários